Metrô e CPTM vão entrar em greve

O Sindicato dos Metroviários de São Paulo decidiu, em assembleia realizada na noite de hoje, entrar em greve na próxima quarta-feira (27). 

A decisão impacta os serviços do Metrô de São Paulo e da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM).

Os metroviários reivindicam reajuste salarial de 8,24% e um aumento real de  9,49%, e reajustes em benefícios como vale-refeição e vale-alimentação, entre outros. Exigem também a readmissão dos 38 funcionários que foram demitidos durante greve no ano passado.

De acordo com o sindicato, o metrô "ofereceu 7,21% de reajuste, ficando abaixo da inflação no período".

Já os ferroviários pedem reajuste de 7,89% nos salários e aumento real de mais 10%, o que foi negado pela CPTM que, segundo o sindicato da categoria, ofereceu reajuste de 6,65%.

Por meio de comunicado no Facebook, a entidade que representa os funcionários do Metrô afirma que "os trabalhadores buscaram de diversas formas a negociação com a empresa, mas houve intransigência do Metrô e do governo estadual".

Em nota, a Secretaria de Transportes Metropolitanos lamentou a decisão, que considerou "arbitrária".
"A paralisação do sistema metroferroviário prejudicará mais de 7,5 milhões de usuários que utilizam diariamente a rede de trilhos paulista", diz o texto.

Uma nova assembleia será realizada no próximo dia 26 para organizar a paralisação, de acordo com o Sindicato dos Ferroviários e Sindicato dos Metroviários.

Caso ocorra a Greve, as linhas, 1, 2, 3, 5 e 15 do Metrô serão afetadas, além das linhas 7, 8, 9, 10, 11 e 12 da CPTM. Cabe lembrar que a paralisação não afetará a Linha 4-Amarela, operada pela concessionária ViaQuatro.

Nota da Secretaria dos Transportes Metropolitanos do Estado de São Paulo:

A Secretaria dos Transportes Metropolitanos lamenta a decisão arbitrária do Sindicato dos Metroviários e de três dos quatro sindicatos que representam os empregados da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) que decidiram pela greve, em assembleias realizadas na noite desta quarta-feira (20/05).

Embora a STM respeite o direito de greve, a paralisação do sistema metroferroviário prejudicará mais de 7,5 milhões de usuários que utilizam diariamente a rede de trilhos paulista para chegar ao trabalho, a escola, ao médico, a rede hospitalar, entre outros inúmeros compromissos assumidos.

As empresas ofereceram reajuste baseados no IPC-Fipe, de acordo com a data-base de cada categoria.
A STM confia na responsabilidade dos empregados do Metrô e da CPTM para garantir a prestação de serviço aos seus usuários.

Fonte: Exame

Coment�rios
0 Coment�rios

0 comentários: